ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASCAIS
 
 
A proposta que se desenvolveu para a Escola foi realizada num profundo respeito pela natureza do local quer seja do ponto de vista biofísico (topografia, influência do mar pela sua proximidade, microclima, solos e vegetação existente), quer seja do ponto de vista social (acessibilidades, relação de vizinhança, espaços de atividades intensas e coletivas, espaços de intimismo), quer ainda do ponto de vista ecológico (aumento da permeabilidade do solo, baixos consumos energéticos, baixos consumos hídricos, retenção do carbono, preservação dos habitats existentes). Só da compatibilização de todos estes fatores pode resultar um novo conceito de espaço Escola para o século XXI onde o Edifício e o Espaço Exterior podem e devem fazer parte dos projetos pedagógicos e técnico/científicos a desenvolver entre professores e alunos.
A conceção geral baseou-se num traçado que assenta numa composição que tem por base os estratos arbóreo, arbustivo e herbáceo, estando estes organizados em tipologias que atendem à estrutura da paisagem naturalizada de Portugal (Clareira, Orla, Mata).
A clareira corresponde a zonas repletas de luz, com elevada capacidade de carga e capazes de receberem um elevado número de pessoas e atividades. Estes espaços-clareira são áreas fundamentais pois são polivalentes e muito solicitadas durante os meses de inverno por terem capacidade de receberem luminosidade e de a absorverem, levando ao aquecimento das superfícies. Na Escola tem-se duas clareiras designadas por: Clareira do Desassossego e Clareira das Atividades.
A orla corresponde a zonas de transição, onde os níveis de luminosidade são médios, é elevada a biodiversidade e estão presentes todos os estratos florísticos (árvores, arbustos e herbáceas). A orla esteve sempre associada a espaços de proteção e, por isso, corresponde à área envolvente à vedação da Escola. São espaços de transição sempre belos pela profusão de tonalidades das folhagens e das flores, reflexos de luz e variação de volumes que oferece. A orla é o território de maior dinâmica sazonal.
A mata, corresponde a zonas densas, escuras, mais húmidas sendo refúgio de animais e corresponde aos espaços de maiores dimensões. No espaço da Escola face ao tipo de uso que vão ter aparece como: Bosque Mediterrânico com prado e Bosque do Sossego com prado florido.


Promotor:
Parque Escolar, EPE

Local:
Cascais, Portugal
  Área:
1.8ha

Coordenação e projeto:
Laura Costa, Sérgio Pinto
  Arquitetura:
Telmo Castro - Arquiteto

Data de projeto:
2010
 
 
2013, Laura Roldão Costa - Arquitetura Paisagista
Início | Contactos