PARQUE TEMÁTICO BOTÂNICO
 
 
Proposta de recuperação paisagística e ambiental para a atual lixeira de Luanda que se encontra envolvida por um conjunto de urbanizações e de construções espontâneas, designadas localmente por musseques. Na sua proximidade também se encontra o Aeroporto.
Luanda é uma cidade de grande densidade populacional, onde predominam as faixas etárias jovens. Verifica-se a presença de estabelecimentos de ensino que abrangem desde o ensino básico ao universitário, que possibilitam a dinamização da aprendizagem e a investigação levando a que Jardins de carácter pedagógico possam ter grande interesse, quer no contexto cultural, quer no âmbito da educação ambiental. Jardins desenhados neste contexto devem apresentar-se como espaços multifuncionais nas suas vertentes de formação, visitação, lazer e recreio.
Tratando-se de uma das maiores lixeiras de Angola é, sem dúvida, um dos locais onde a pegada ecológica/impressão digital do Homem no Ambiente e na Paisagem se manifesta de modo mais negativo. Pretende-se que esta pegada ecológica fique registada na memória do local pela modelação do terreno, modelação essa que resulta de sucessivas estilizações de uma impressão digital. No entanto, considera-se que o Homem deve conservar/precaver/recuperar/reciclar, pelo que a intervenção preconizada para o espaço assenta numa ação de Reciclagem transformando-se a lixeira num Jardim Temático Botânico que, simultaneamente, contribui para a estrutura verde e para a requalificação urbana da cidade de Luanda.
O programa do Jardim Temático Botânico inclui:
- Percursos pedonais que apresentam funções didáticas onde painéis com imagens e textos fornecem informações complementares às que se obtêm diretamente pela observação das plantas presentes no espaço. Os percursos poderão abordar como tema geral “A Vegetação e o Mundo”, podendo ter subtemas: “Árvores notáveis do mundo no passado – a Vegetação dos Dinossauros”; “Árvores notáveis do mundo de hoje; Alterações climáticas”; “Biodiversidade e Conservação”; “Água e Solos”, entre outros.
- Praças, destacam-se as praças associadas aos edifícios centrais de grande dimensão e destinadas à receção e distribuição de visitantes. São designadas por Praça LINEU e Praça DARWIN e nelas serão inseridos painéis com informação explicativa sobre estes dois cientistas. As restantes praças serão também destinadas à divulgação científico/ambiental tendo por tema geral: “Quem faz a Ciência?”.
- Edifícios temáticos vários e em diferentes locais estando destinados a serviços de apoio (Wc, bar/café), secretaria, receção, sala para estudo e trabalho com acesso a Internet; Ludoteca (vídeos, musica, livros, revistas, Internet), sala polivalente (workshops, exposições, auditório), balneários, refeitório, zonas técnicas com equipamentos e reservatórios de água.
- Jardins que resultam de um conjunto de espaços temáticos cujas espécies serão selecionadas pela forma como se encontram associadas na natureza de modo a que as áreas apresentem um aspeto naturalizado. Tendo em atenção que se trata de um conjunto de jardins temáticos situados em Angola, pretende-se refletir sobre as principais associações de vegetação natural presentes no continente Africano e, em especial, em Angola, pelo que se elegeram como principais associações fitoclimáticas: Bosques temperados; Floresta de chuva tropical; Floresta tropical seca caducifólia; Savana; Desertos.

Promotor:
Cajueiro-Cooperativa de Habitação

Local:
Luanda, Angola
  Área:
13.9ha

Coordenação e projeto:
Laura Costa, Sérgio Pinto, Raquel Frias
  Engenharia e Ambiente:
R.M. Engenharia, CPA, Consultoria e projetos de ambiente, Lda.

Data de projeto:
2010
 
 
2013, Laura Roldão Costa - Arquitetura Paisagista
Início | Contactos