ESCOLA MUTU YA KEVELA E PUNIV
 
 
O projeto desenvolvido para os espaços exteriores e pátios das escolas Mutu Ya Kevela e PUNIV em Luanda tem por finalidade transformar o espaço numa área arborizada e permeável por forma a que estudantes, professores e funcionários se relacionem de forma aprazível com o exterior e que o ato de ensinar e de aprender seja agradável.
De forma sucinta podem-se agrupar os principais objetivos do projeto de integração paisagística para a Escola nos seguintes pontos: a) potencializar situações de conforto bioclimático quer no interior do edifício quer na área exterior; b) selecionar espécies adaptadas às condições de clima e solo existentes, garantindo-se uma elevada taxa de sucesso na plantação dos elementos escolhidos e com baixas necessidades hídricas; c) assegurar uma fácil manutenção do revestimento vegetal, pavimentos e equipamentos; d) definir espaços que promovam a estadia de professores e alunos; e) preservar sempre que possível a vegetação e estruturas existentes.
A relação entre os espaços interiores e exteriores procura assegurar arquiteturas mais sustentáveis, cumprir regulamentos e planos em vigor e permitir a professores, funcionários e estudantes um maior prazer em permanecer na Escola e estudar/ensinar. Tendo por base o conceito “Learning Street” desenvolvido por Herman Hertzberger (Holanda) em que as escolas devem ser espaços informais reinventando a relação da sala de aula com os outros espaços, numa aposta em formas ativas e descentralizadas de trabalho letivo, desenvolve-se um programa para o espaço exterior em que se criam condições não só para permitir melhores tempos de recreio e lazer para alunos, docentes e funcionários, como o de criar hipóteses de promover um ensino mais dinâmico em que se possa levar o conhecimento para fora da sala de aula.
A entrada da Escola é definida por duas plataformas que se unem por escadas e rampas oferecendo movimento e dinâmicas intercaladas por panos de verde com árvores. Estas plataformas garantem a alternância de zonas de praça/distribuição (mais pavimentadas) e zonas de circulação mais permeáveis. Para Poente encontra-se o polidesportivo coberto e o espaço desportivo polivalente sendo áreas representativas das pré-existências e destinadas a grande número de atividades possíveis de abrir à comunidade ou a competições escolares pela existência de bancadas. Mais discretos são os espaços localizados junto do alçado posterior do edifício do salão polivalente. Nesta área propõe-se a demolição das estruturas existentes e a implantação de três tipologias de espaços que se complementam. Uma tipologia corresponde à área desportiva com polidesportivos descobertos o que permite a prática de várias modalidades. Outra tipologia de espaço destina-se à concentração e estadia de pessoas, servindo de apoio aos campos de jogos e ao edifício - sala polivalente. Neste local será possível de instalar tendas de apoio, elementos expositivos, etc. Por fim, a última tipologia presente no espaço corresponde às áreas verdes que enquadram as outras duas e permite oferecer conforto bioclimático pelas sombras e aumento de humidade. As árvores serão concentradas em maciços densos ao longo do muro de vedação reforçando-se o efeito de cortina visual evitando-se vistas de e para o exterior.
Junto ao alçado da Escola PUNIV, ou seja, para Sul, a opção passou pela definição de uma zona de estadia para um elevado número de alunos (recreio) implantando-se bancos especialmente desenhados para o espaço e para os estudantes, sendo dispostos ao longo de faixas de pavimento que são intercaladas por faixas densamente arborizadas transmitindo a ideia de floresta, mais sombria, húmida e fresca.

Promotor:
Ministério da Educação da República de Angola

Local:
Luanda, Angola

Área:
5.2ha
  Coordenação e projeto:
Laura Costa, Sérgio Pinto

Arquitetura:
Soapro Sociedade Angolana de Projetos, Lda.
  Data de projeto:
2012

Consultores:
GRUPO AMOP Synergies
 
 
2013, Laura Roldão Costa - Arquitetura Paisagista
Início | Contactos